domingo, dezembro 31, 2006

Feliz 2007!!



Pessoalmente nunca gostei desta quadra festiva. Há uns anos ainda passava a passagem de ano em discotecas/bares... com pessoas amigas. No final, as bebedeiras da praxe. Logo eu que odeio, detesto, abomino alcool, bêbados e afins. Desisti de aturar as figurinhas parvas dos irresponsáveis e entre outros motivos optei por ficar em casa com a minha família.

Embora nunca me tivesse arrependido por isso, o facto é que todos os anos é sempre a mesma história. Comida que dá para um regimento, a espera do raio da contagem decrescente, o champagne que nunca abre no momento certo, as horrendas 12 passas que parecem borracha acompanhadas dos desejos que nunca se concretizem, os beijos e abraços, confettis na testa, as boas vindas ao novo ano com a promessa prévia do governo que teremos, para variar, que apertar ainda mais o cinto em 2007!

Enfim, como diz o outro: desde que haja saúde, o resto que se dane"!
A correr, quase a adormecer em cima do teclado desejo um FELIZ ANO 2007 para todos!

terça-feira, dezembro 12, 2006

Feliz Natal!



Estamos na época natalícia e sendo eu bastante saudosista, relembro sempre os bons velhos tempos em que acreditava que realmente existia um gordo barbudo vestido de vermelho a distribuir brinquedos às crianças bem comportadas. Na altura devia ter desconfiado pois de bem comportada, não tinha eu nada!

Na época, supostamente o velhote de barbas brancas começava os preparativos no mês de Dezembro. Hoje em dia, o velhote deve andar a snifar alguma erva “revigorante” porque em meados de Outubro já começamos a ver pinheiros e promoções de Natal nas lojas!
Abomino este apelo ao consumismo exagerado. Tenta-se vender de tudo! São publicidade de brinquedos a toda a hora, as crianças pedem cada vez mais coisas e mais caras porque o(a) outro(a) tem. Estamos em plena recessão económica e, no entanto, gasta-se cada vez mais, com dinheiro que não se tem: é dívida sobre dívida!
São sugestões de prendas: lembro-me de ver na TV uma passagem de modelos vestidos com pijamas do Pai Natal bordado em todo o lado; os pijamas ainda incluíam umas luzinhas a cintilar (até na roupa interior), para ambos os sexos. Ainda pensei que fosse uma piada de péssimo gosto mas não! Escusado será dizer o ridículo dos modelos que devem ter recebido um cheque bem chorudo para fazer tão triste figura!

O Natal não é para as crianças?? Então por que carga de água temos que oferecer presentes a todos os conhecidos, semi-conhecidos, desconhecidos e receber prendas que não lembram a ninguém. Ok, ok, o que vale é a intenção mas já não tenho espaço para as malditas pantufas de peluche e os chocolates acabam por perder a validade!! Gosto muito de chocolates mas não tenho culpa de ter uma boca refinada e só gostar de certas marcas!! Acho que este ano, vou ter mais sorte, as lojas chinesas não têm pantufas nem chocolates!

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades” dizia o poeta, então porque continua o Pai Natal a ser retratado como um velho alegre e obeso?? Se todos os paises estão empenhados em combater a obesidade, acho que poderiam começar por emagrecer o velhote? Depois, admiram-se que as crianças estão a ficar cada vez mais gordas! Pois pudera, o velhote, respira saúde e nunca tem o colesterol e os triglicerídeos altos!! Além disso, aparece com as bochechas e nariz vermelho, mas que raio de exemplo é ele conduzindo as renas com uma pinga a mais??

Hoje em dia, onde quer que se vá, é um abusrdo de clones defeituosos do Pai Natal. Roupa foleira, barba a desfazer-se, são eles pequenos, altos, gordos, magros, mau educados... Isto é um descalabro! A criança ainda fica traumatizada. Depois, aproveitam para ganhar dinheiro tirando fotos com a pequenada. É ver os miúdos olharem de lado para essa “coisa” de Natal com ar de quem viu um bicho e a pensar “quem é este troglodita?”. Mas julgam que as crianças são burras???

Os cânticos de Natal são engraçaditos mas ao fim de alguns minutos, não há quem aguente “A todos um bom Nataaaal”, o “jingle bell” etc... É como entrar uma loja chinesa e ouvir aquelas musiquinhas asiáticas, verdadeiros atentados aos ouvidos! Convite eficiente para a porta de saída!

O que gosto no Natal são as luzes e os enfeites nas lojas e nas ruas mas ultimamente tem-se vindo a exagerar na quantidade! O que é demais torna-se ridículo! É impressionante ver as casas decoradas a preceito, cada vizinho tentando rivalizar com o outro para ver quem é o melhor! Grande espírito natalício, sem dúvida!
Por vezes, parece uma festa qualquer de bairro, só falta o fogo de artifício!

Haveria muito a dizer sobre o assunto, perdeu-se muito da magia mas apesar de tudo, continuo a gostar do Natal pelas boas recordações que me traz e por presenciar a alegria estampada no rosto das crianças quando recebem os presentes tão desejados, quer acreditem no barbudo ou não.