sexta-feira, dezembro 19, 2008

Espírito (pouco) natalício...


Voltei… interessa pra caramba, dirão mas tinha que dizer algo depois de tantos dias de ausência.
Fiz abstinência da blogosfera, isso! Agora que tenho uns dias de férias cá estou.

Época natalícia...hmmm... bem, o sentimento que nutro actualmente pelo Natal é proporcional ao sentimento que nutro pelos debates no parlamento nomeadamente pela voz do além “É favor concluir…” do Jaime Gama.

Ontem no final da tarde, fui ao centro comercial finalizar o ritual consumista das prendas. No início, tudo bem, vamos lá todas felizes da vida com o espírito natalício estampado no rosto.
No carro damos prioridade com boa vontade, deixamos entrar na fila aquele automobilista que por puro descuido passou a frente de todos e não agradece o nosso gesto (distraído o malandreco!). Nem ligamos às caretas e buzinadela do carro de trás que ficou fulo por termos dado passagem. Falta de paciência, vá compreende-se!
Inclusive paramos para deixar passar os peões que atravessam fora da passadeira e pedimos desculpa ao carro que vinha colado à nossa traseira há bastante tempo pelo facto de ele ter sido obrigado a gastar mais uns milímetros de pneu na derrapagem.
Dentro do shopping, sempre com o sorriso nos lábios:
- “Com licença!”,” Desculpe!”, “Obrigada!”, “Faça favor, estava primeiro mas tenho tempo!”, “Deixe lá, todas as crianças fazem birras quem não gostar dos gritos que tape os ouvidos!“, “Não faz mal, não doeu nada, tenho outro pé!”…

Alguns empurrões mais tarde, o espírito natalício foi dar uma curva. Munida de uma metralhadora imaginária:
- “COM LICENÇA! JÁ DISSE COM LICENÇA!”, “COMO É?? ANDA OU NÃO ANDA?”, “ A criança é sempre assim tão barulhenta ou hoje é uma ocasião especial?”, “Eh pá! O jardim zoológico não fica fechado de noite?”, “Mais um TROGLODITA a visitar a civilização?!”…

De volta ao carro (aviso que a linguagem que se segue é susceptível de ferir os alguns leitores mais sensíveis):
- “Olha-me este c*brão a tentar furar a fila, anda cá que eu deixo-te já passar! Põe aí o focinho, põe, ficas já com o carro à Camões!”, “Ai, a grandessíssima v*ca! Deixei-a passar e a c*bra nem agradeceu!”, “O que é que o c*rno de trás quer?? Passa por cima ó c*g*lhoto!”, “A passadeira fica ali atrás, vai pró c*r*lh*!”…

Já não se aguenta! Vou hibernar para a Groelandia.